26/04/2019

No Silêncio da Noite (Parte 2)


Tarde da noite. Talvez tão tarde quanto você possa imaginar. Todos na sua cidade estão dormindo, aparentemente. Alguns gatos pingados vagando pelas ruas silenciosas, enquanto outros estão transando e tantos outros remexem-se na cama, tentando voltar a dormir. Mas você, não. Você está sentado no sofá, em sua cama, ou até mesmo no chão. Você está ouvindo alguma música ou ficando surdo com o silêncio inquietante da noite. Você está livre, mas está preso. Por mais que você possa se levantar e ir fazer qualquer outra coisa, os seus pensamentos estão, mesmo que por alguns momentos, lhe aprisionando. Fazendo com que você flutue para longe de sua própria realidade. Você não consegue esquecer aquelas noites de embriaguez emocional e sexual. O sabor doce permanece em seus lábios e o cheiro inconfundível não foge do seu corpo. Você quer adormecer, mas mais do que isso, você quer voltar. Voltar para aqueles momentos de puro prazer, onde o tempo congela e os seus sentidos se aguçam, um a um. Talvez você queira fugir pra qualquer lugar, mas no silêncio da noite, onde você é um mero prisioneiro de si mesmo, tudo o que você consegue fazer é dormir... de tanto pensar.

31/12/2018

O Rancho

Nunca se sabe o que se espera nesse rancho. A viagem de aproximadamente duas horas foi longa e sonolenta. Com um mp3 no ouvido, pude descansar, com o vento batendo em meu rosto e apreciando belas paisagens ao longo do caminho. Como disse antes, nunca se sabe o que se espera nesse rancho. Chegamos normalmente, descarregando a bagagem e ajeitando a dispensa. Não pude deixar de reparar e apreciar a velha casa abandonada metros antes da porteira. Lá estava ela, como sempre, forte, com suas telhas quebradas e o velho galpão ao lado, vazio e sinistro. As luzes do sol cobriam a velha casa e o velho galpão, dando uma visão de inocência e o que pude pensar na hora é que esperava que continuasse com essa inocência. E aqui estou eu, agora, as 4:58pm, sentado no píer, contemplando as montanhas e as águas fluindo. Tudo aqui é nostálgico.

Não há como se aborrecer com nada aqui e neste momento, as 3:08pm, Rafael pula no lago, aparentemente agradável, mas com um grito rafaelesco de “puta que pariu, que gelo!!!”. Pedro está gripado e não pode nadar, uma das coisas que ele mais gosta. Desde a primeira palavra escrita, estou ouvindo “Untitled #1”, da banda islandesa Sigur Rós, de acordo com o ambiente, passivo, calmo e contemplativo. E agora, sentindo algo diferente dentro de mim, o rancho me proporcionou desde a minha chegada, alegria, risadas, felicidade e saudade. Não pude deixar de lembrar de você quando olhe todas aquelas montanhas. Eu me via com você nesse píer desde que eu cheguei. E realmente, isto tudo está sendo mágico para mim. As 3:20pm fui dar uma volta e fazer outras coisas... [...]

[...] exatamente as 3:33pm aqui estava eu, em cima da mesa de ping-pong, vendo Pedro dormir, deitado na rede, na minha frente. Casais apaixonados ao lado, se acariciando e fazendo o que fazem melhor o Ser Humano: Amar. E olhando para o reflexo da água, vendo o céu, as nuvens e o sol, percebi que a vida às vezes é muito especial para se tornar uma rotina. Às vezes é importante viajar longe para perceber que você é livre e feliz com quem te faz companhia...

E exatamente as 5:13pm que despertei de um sono profundo. Sonhava com você, com a minha cidade, com o Jivago antigo e depois que despertei, fiquei pensando no que você me disse: Vamos dar o nosso melhor em janeiro.

2:10am – dormi.

Jivago Achkar
22 de maio de 2008.

Reflexão I

VOCÊ, sim!!! Com você mesmo que estou falando. Pare com que está fazendo agora e pense por um momento. Pense onde está a sua avó, como é que ela está? Pense nos seus verdadeiros. Eu disse verdadeiros e não passageiros. Como será que eles estão hoje? Pare um pouco com esse computador, ouça uma música que você goste e escreva uma carta para alguém distante. Aquele alguém que há tempos você não vê. Você não precisará de muitas palavras para isso. Um simples “como é que você está? Saudades”, fará com que essa pessoa se sinta melhor com ela mesma. Pare também no meio de um shopping e tente sentir o quão valioso é o momento que está acontecendo ali. Você se pergunta: “O que tem de valor nisso?”. Eu respondo... em meio a tantos rostos, você vê pessoas felizes, tristes, alegres, loucas, etc. Cada uma com sua percepção própria. Com uns, você se identifica, com outros você pega ódio. O roqueiro pega ódio do pagodeiro, o branco pega ódio do negro e assim, sucessivamente, os preconceitos aumentam a cada geração. Cada pessoa “pertence” a seu grupo social. Os burgueses com os burgueses, os plebeus com os plebeus, os machões com os machões, os sensíveis com os sensíveis e até os brancos com os brancos e negros com os negros. Para que sua vida não se afete com isso, você precisará se expressar sinceramente para todas as pessoas que convivem e fazem parte da sua vida. Esse é o momento de você mostrar quem você realmente é para si mesmo. Essa é a hora de você tirar os seus demônios e saber quem são eles. Assassinos? Sensíveis? Introvertidos? Homossexuais? Solitários? Poetas? Músicos? Dançarinos? Só você pode responder e saber... e só você pode ter forças para expressá-las para mais alguém. Então pare e pense em como estão as pessoas que você ama, mande uma carta, telefone, tenho certeza que isso fará bem a todos...

Das cinzas de uma alma deprimida,

Jivago Achkar
21 de agosto de 2008

28/12/2018

Indicando #007: Café Society

Bom, assisti a poucos filmes do Woody (seis), mas posso dizer que esse foi um filme muito gostoso e divertido de assistir. Não sou muito fã do Jesse Eisenberg, muito menos da Kristen Stewart (hahaha), mas a fotografia do filme encanta, o roteiro é super simples e divertido. Adoro o Steve Carell, mas não é uma das suas melhores atuações, estava ok. Uma coisa a se ressaltar é que o Woody Allen sabe muito bem escolher a trilha sonora dos seus filmes. Uma melhor que a outra. Muito bem selecionada. Se você procura assistir um filme light, com doses de humor, você vai gostar de Café Society. :)

Jesse Eisenberg e Kristen Stewart em "Café Society" (2016)
Dirigido por Woody Allen

Indicando Filmes #006: Cães de Aluguel

Da série: Filmes que já deveria ter visto há tempos. 
Tá aí um filme com uma história até que simples, porém muito boa e com atuações excelentes. A fotografia do filme é muito a cara do Tarantino mesmo e me lembrou bastante de uns ângulos que o David Fincher usa também, como em Vidas em Jogo. 
Uma curiosidade interessante: O personagem Nice Guy Eddie Cabot, nas cenas em que ele discute e grita, me lembrava por demais o Sean Penn em Vidas em Jogo. Só então fui saber que ele era o irmão do próprio. Hahaha tá explicado o motivo do timbre de voz deles ser parecido.

Steve Buscemi e Harvey Keitel em "Cães de Aluguel" (1992)
Dirigido por Quentin Tarantino